O PRESBITERIANISMO EM CURITIBA

Os primórdios

O historiador da literatura brasileira Wilson Martins definiu o Paraná como sendo um Brasil diferente por causa da forte influência estrangeira na composição da população desse estado. Curitiba, a capital dos paranaenses se destaca no cenário brasileiro pelas soluções inovadoras no seu planejamento urbano e por seus indicadores sociais. Nesse Brasil com sotaque diferente a Igreja Presbiteriana completou 122 anos de organização.

A inserção do Presbiterianismo no Paraná remonta ao Rev. José Manoel da Conceição, em visita a sua irmã que era professora na cidade de Castro.

Por volta de 1878, é mencionada a atuação de João Antunes de Morais, presbítero de Faxina, que era colportor de Bíblias e que chegou até a região de Guarapuava. No povoado de Papanduva, município de Prudentópolis, por volta de 1880, o Rev. Robert Lenington, com o auxílio de Joaquim Matheus Ferreira inicia a Congregação de Papanduva a qual encerrou seus trabalhos no dia 07 de março de 1939, sendo os membros transferidos para a Congregação de Manduri no mesmo município. O Rev. Alexander Blackford visitou o Paraná e fez uma conferência em Curitiba, onde conseguiu distribuir diversas Bíblias e Novos Testamentos.

No interior do Paraná, na região de Piraí do Sul e Tibagi foram organizadas a duas primeiras Igrejas Presbiterianas do estado através da ação missionária do Rev. Roberto Lenington e dos colportores João Antunes de Morais e Antonio Pinheiro, a Igreja Presbiteriana de Fundão em 26/10/1884 e a Igreja Presbiteriana de Tibagi em 07/12/1884. Quatro anos depois os membros dessas igrejas foram incorporados no rol das igrejas de Castro e de Curitiba. Nessa visita missionária o Rev. Lenington visitou a cidade de Guarapuava, onde com o auxílio de um líder maçom conseguiu um espaço para pregar o evangelho, cinco anos mais tarde foi organizada a Igreja Presbiteriana de Guarapuava (17/02/1889).

Após a reunião do Presbitério do Rio de Janeiro, em 1885, o Rev. Lenington e o Rev. Georges Landes fizeram uma viagem missionária ao Paraná, sendo que no final do ano o Rev. Landes fixou residência em Curitiba, fazendo ali a sua base missionária. A pregação do evangelho pelo Rev. Landes recebeu a oposição do padre João Evangelista Braga, vigário Geral, que emitiu uma circular aos párocos de todo o estado e que foi publicada nos jornais advertindo a população sob a chegada dos pregadores protestantes.

No ano de 1887, o Presbitério do Rio de Janeiro autorizou o Rev. Landes a dissolver as Igrejas Presbiterianas de Tibagi e Fundão e arrolar os seus membros nas Igrejas Presbiterianas de Curitiba e Castro. No dia 1º de julho de 1888 o Rev. Landes organizou a Igreja Presbiteriana de Curitiba.

 

De conformidade com a autorização do Presbitério do Rio de janeiro, abaixo transcrita, dissolvi, no dia 1º de julho de 1888, a igreja de Tibagi e organizei a Igreja de “Curityba”. Ao 1º de julho de 1888, na cidade de Curitiba, na sala do culto, ao meio dia, estando presentes os abaixo assinados e diversas pessoas reunidas para o culto divino, procedi de receber como membros da igreja as seguintes pessoas[...]. (Ata nº 1 da Igreja Presbiteriana de Curitiba).

 


REV. GEORGE ANDERSON LANDES (1850-1938)

O Rev. Landes era um homem de sólida formação, tendo cursado teologia no seminário de Princeton e foi ordenado pastor pelo Presbitério de Huntingdon. No ano de sua ordenação, em 1880, ele se casou com Rebecca M.N. Sheeder e em 1881 transferiu-se para o Brasil para trabalhar como missionário. Trabalhou quatro anos em Botucatu, interior do Estado de São Paulo, antes de se transferir para Curitiba. Por motivo de enfermidade de sua esposa, poucos meses depois da organização da igreja retornou aos Estados Unidos, sendo substituído pelo Rev. Modesto Carvalhosa, que pastoreou o campo até 1893. Em 1890, Landes retornou para Curitiba acompanhado do missionário Thomas Jackson Porter.


Miss Mary P. Dascomb e Miss Elmira Kuhl

Em 1892, no pastorado de Carvalhosa, começou a funcionar a Escola Americana de Curitiba, sob a direção das missionárias Mary Parker Dascomb e Elmira Khul. As duas educadoras eram missionárias da Junta de Missões Estrangeiras da Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos e trabalharam em Rio Claro, Botucatu, Brotas e São Paulo antes de virem para Curitiba. Tinham formação superior em pedagogia e dirigiram a Escola Americana de Curitiba por 25 anos, até 1917. Em 1935, o Rev. Luiz Lenz de Araújo César adquiriu a Escola Americana de Curitiba, e mudou o nome para Ginásio Belmiro Cesar.

Em 1893, começou a campanha de construção do templo que foi inaugurado em 1895. O terreno havia sido adquirido em 1890. A construção foi iniciada com um empréstimo do Board de Missões Estrangeiras dos EUA e contou com o esforço de toda a igreja na campanha de construção. A revista de Missões Nacionais de outubro de 1912 faz o seguinte destaque sobre o templo da Igreja Presbiteriana de Curitiba.

 

Este edifício é o mais bonito dos nossos Templos. Foi construído pelas livres ofertas do povo – ofertas tão liberais que o pastor teve de dizer a diversas famílias que contribuíam para a Igreja o que precisavam em casa. O chefe dos generosos foi o falecido Carlos Augusto Cornelsen. Mas, além deste nobre crente e obreiro, toda a irmandade recebeu a bênção dos que dão com alegria.(2 Cor. 9:7)

 

A Assembléia Geral da Igreja, em 01 de fevereiro 1897, elegeu o seu primeiro pastor: Rev. José Maurício Higgins, que tomou posse em 1898. O Rev. Higgins atuou como professor em diversas escolas da cidade de Curitiba. O sínodo reunido em 1900 aprovou a divisão do Presbitério de São Paulo e formou o Presbitério do Sul, compreendendo os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, sendo seus membros os Reverendos Landes, Bickerstaph, Higgins e Lenington.

 


Presbitério do Sul 1907

O Em 1903, o Rev. Higgins estava em licença nos Estados Unidos, quando retornou aderiu ao movimento que formou a Igreja Presbiteriana Independente. Contudo, a Igreja Presbiteriana de Curitiba manteve-se fiel ao Sínodo, sendo que apenas a Igreja Presbiteriana de Itaqui (Campo Largo) optou pelo movimento independente.

Com a saída do Rev. Higgins, a igreja foi pastoreada durante o ano de 1904 pelo Rev. Antônio André Lino da Costa. No ano seguinte, o missionário George Landes retornou ao pastorado da Igreja, auxiliado pelo missionário George Luverno Bickerstaph, que posteriormente assumiu a Igreja de Castro. Ainda pastoreou a igreja nesses primeiros anos, após o cisma Independente, o Rev. Henrique A. Vogel. Em 1909 assumiu o pastorado da igreja o Rev. Roberto Frederico Lenington, filho do missionário Roberto Lenington, assumiu o pastorado da igreja por sete anos até 1915.

Em 1910, quando da organização da Assembléia Geral, o Presbitério do Sul ficou ligado ao Sínodo Meridional, que era formado ainda pelos presbitérios de Minas, São Paulo, Oeste de São Paulo e Itapetininga. Em 1936, o Presbitério do Sul se desdobrou com a formação do Presbitério Norte do Paraná, que posteriormente deu lugar ao Presbitério de Londrina e Castro, enquanto que em 1956 extinguiu-se o Presbitério do Sul, com a formação dos Presbitérios de Curitiba e Florianópolis.

Nos anos de 1915 a 1922 a igreja foi pastoreada pelo Rev. Ozias Gonçalves. Nesse período a igreja sofreu a perda das missionárias miss Dascomb e miss Kuhl que faleceram em 1917, a primeira em Curitiba e a segunda nos EUA. Em 1922, faleceu o Rev. Ozias Gonçalves que foi substituído pelo Rev. Ricardo Mayorga. Em 1923, assumiu o pastorado da igreja o Rev. Luiz Lenz de Araújo Cesar.

O período do pastorado do Rev. Luiz Cesar (1923-1942) foi marcado por uma série de realizações e polêmicas. Defensor do estado laico, protestou juntamente com líderes liberais da cidade de Curitiba, contra o apoio financeiro dado pelo Estado quando da implantação de dois bispados da Igreja Católica Romana. Foi no seu pastorado que se iniciaram as atividades da Congregação do Capão das Amoras, hoje Igreja Presbiteriana da Silva Jardim e a Congregação da Bela Vista, atualmente Igreja Presbiteriana do Tarumã. Também foram iniciados trabalhos missionários no litoral do Paraná no município de Morretes (Km 32 e Rio Sagrado).

 


Rev. Cesar e Caravana no Rio Sagrado

O trabalho evangelístico da Congregação do Capão das Amoras foi realizado durante seis anos ao ar livre e contou com a participação de vários irmãos da igreja. Entre os colaboradores estava o Presbítero Augusto Klopfleisch, a organista Florência Withers Rodbard e Djalma Mainguê, que se tornou pastor auxiliar do Rev. Cesar. O templo da congregação, construído em madeira, foi consagrado em 1933 e foi utilizado pela igreja até 1996. O templo de madeira foi demolido e reconstruído no Bosque do Alemão como símbolo da arquitetura alemã no Paraná.

 

 


Congregação do Capão das Amoras

Em 1942, o Rev. Cesar afastou-se do pastorado e foi designado como pastor da igreja o Rev. Alcides Nogueira e em 1944 o Presbitério do Sul designou o Rev. Parísio Geminiano Cidade para substituí-lo. O Rev. Parísio Cidade era médico e foi o idealizador da SEB - Sociedade Evangélica Beneficente, hoje mantenedora do Hospital Evangélico de Curitiba e da Faculdade Evangélica.

 

A organização da Sociedade Evangélica Beneficente (SEB) de Curitiba se deu no dia 25 de junho de 1943, na residência do Rev. Daniel Lander Betts. Estavam presentes João Emílio Henck, pastor da Igreja Batista, Alcides Nogueira, pastor da Igreja Presbiteriana, Jaime D. Cook, pastor da Igreja Congregacional, Dr. Parísio G. Cidade, pastor das igrejas presbiterianas em Joinville e São Francisco, A. Ben Oliver, missionário batista e Augusto Klopffleisch, presbítero da Igreja Presbiteriana de Curitiba. Nessa reunião, o Dr. Parísio Cidade propõe a criação de uma sociedade evangélica beneficente, com a finalidade da organização de um serviço médico hospitalar, com policlínica especializada, a fim de atender a comunidade evangélica e o povo em geral.

 

No ano de 1950 foi eleito pastor da Igreja Presbiteriana de Curitiba o Rev. Oswaldo Soeiro Emrich. Temos o início de uma nova etapa na vida do presbiterianismo em Curitiba. O dinâmico Rev. Oswaldo pastoreou a igreja por 25 anos como pastor titular e por 32 anos como pastor emérito.

 

A formação do Presbitério de Curitiba

No ano de 1950 chegou a Curitiba o Rev. Osvaldo Soeiro Emrich, mineiro, natural de Lavras/MG, casado com Mercedes Ruiz Emrich. Foi ordenado pelo presbitério Oeste de Minas em 1940 e pastoreou as igrejas de São João Del Rei, Campo Belo e Piumhi. Teve quatro filhos: Nilman, Norman, Nísia e Nélia. O pastorado do Rev. Osvaldo Emrich marcou o presbiterianismo da cidade pelo seu ardor evangelístico e pela sua responsabilidade social. No seu ministério a frente da Igreja Presbiteriana de Curitiba foram organizadas as Igrejas da Silva Jardim, Tarumã, Tingui, Vista Alegre, Boqueirão e Paranaguá e foram iniciadas as congregações da Vila Americana, Pilarzinho e São Bráz.

O Rev. Oswaldo foi o grande entusiasta da campanha de construção do Hospital Evangélico, maior hospital particular do Paraná. Outras obras de ação social foram o Ambulatório Evangélico de Curitiba (1951), que funcionava nas dependências da Igreja antes da construção do Hospital Evangélico, do Dispensário Timóteo (1963), do Albergue Noturno “Bom Pastor” (1965), do Lar Hemínia Scheleder (orfanato) em Santa Felicidade (1965), da creche Educacional Miriam e da Associação de Proteção à Maternidade e à Infância do Pilarzinho (1976), do Jardim de Infância Poliana (1969) e do Núcleo Educacional Boicininga (1963). Presidiu a Sociedade Evangélica Beneficente (1961-1963) e foi o primeiro capelão do Hospital Evangélico de Curitiba, onde atuou desde a sua inauguração em 1959 até 1975 quando recebeu o título de Capelão Emérito.

Era mestre em Teologia pelo Union Theological Seminary de Nova York. Grande orador, era respeitado pela sua erudição e dinamismo. Mais do que pastor da Igreja Presbiteriana era pastor da sociedade curitibana, sempre convidado para celebrar casamentos, visitar enfermos, oficiar serviços fúnebres, participar de eventos públicos. Participou da diretoria regional da Confederação Evangélica do Brasil (CEB), da Sociedade Bíblica do Brasil e da Associação de Pastores e Obreiros Evangélicos de Curitiba (APOEC). Jubilou-se do ministério na década de noventa e faleceu em 02 de novembro de 2007, perto de completar 90 anos.

 


Rev. Oswaldo (Centro) e Pastores Auxiliares

Quando do encerramento do Presbitério do Sul em 1956, e a formação do Presbitério de Curitiba, o Rev. Oswaldo foi eleito o seu primeiro presidente. Nesse período o Presbitério de Curitiba se estendia por toda a região sul do Paraná. Nove anos mais tarde o Presbitério foi dividido e se organizou o Presbitério de Ponta Grossa, ficando o Presbitério de Curitiba na sua nova fase com os campos da Capital e do litoral do Estado.

A década de 1950 foi a da organização das primeiras igrejas nos bairros. Atuando com uma equipe de presbíteros dedicados, e de uma geração de novos pastores, a obra presbiteriana em Curitiba foi se expandindo. O trabalho no bairro do Seminário (Capão das Amoras) cresceu e se consolidou, da mesma forma o trabalho no Tarumã (Alto da XV). Através do trabalho de evangelização, utilizando tendas, iniciou-se o trabalho na Vila Tingui. As sociedades internas eram ativas, principalmente a SAF e a UMP. Iniciou-se o trabalho no bairro da Vista Alegre e na cidade portuária de Paranaguá. As Igrejas da Silva Jardim, Vila Tingui e Tarumã foram organizadas em 1958, e a da Vista Alegre, em 1963.

 

 


Tenda utilizanda para evangelizção

O Presbitério, em sua nova fase, contava com as seguintes igrejas: Igreja Presbiteriana de Curitiba, Igreja Presbiteriana da Silva Jardim, Igreja Presbiteriana da Vila Tingui, Igreja Presbiteriana do Tarumã e Igreja Presbiteriana da Vista Alegre. Os pastores eram: Rev. Oswaldo Emrich, Elcias Alves de Mello, Acetides Azevedo da Silva, Wesley Emmerich Werner e Eber Fernandes Ferrer. O Presbitério contava então com 848 membros comungantes e 642 membros não comungantes. Entre os presbíteros representantes estava Itaciano Marcondes, que foi ordenado pastor posteriormente (avô do Rev. Juarez Marcondes), Joaquim Nunes Ferreira, que atuou como evangelista no litoral paranaense e fundador da Igreja Presbiteriana da Vista Alegre e Calvino Pereira da Igreja Presbiteriana do Tarumã.

Na década de 60 trabalhou-se na consolidação dessas novas igrejas. A congregação de Paranaguá, iniciada no ano de 1956 inaugurou o seu templo em 1963 e foi organizada em igreja no ano de 1968. Nesse tempo as igrejas filhas já estavam atuando na multiplicação dos campos missionários. A Igreja da Vila Tingui mantinha uma congregação no Bairro do Boqueirão na casa do Presbítero Thomaz Anderson e sua esposa Irene. Em 1966, a congregação do Boqueirão foi transformada em congregação Presbiterial já pensando na organização da Igreja que ocorreu no ano de 1968. Também os campos de Rio Negro e Porto Amazonas foram incorporados ao Presbitério.

 

 


Rev. Itaciano Marcondes

 


Igreja Presbiteriana do Boqueirão

Novos pastores foram incorporados ao Presbitério de Curitiba nos anos 60. O Rev. Eudes Ferrer, pai do Rev. Eber Ferrer, veio transferido do Presbitério de Cuiabá em 1967. O veterano presbítero Itaciano Marcondes, fundador da Igreja Presbiteriana da Vila Tingui, foi ordenado pastor em 1966. O Rev. Elias Abrahão foi ordenado em 1966 e se licenciou no ano seguinte para realizar o seu curso de mestrado e doutorado nos Estados Unidos da América. No ano de 1967 foi ordenado o Rev. Gofredo Atílio D’Auria, que atuou como pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana de Curitiba. E em 1969 foi ordenado o Rev. Acir Rickli, que atuou posteriormente na região de Ponta Grossa e Castro. No ano de 1969 transferiu-se para o Presbitério o Rev. Agenor Dias da Silva, que se tornou o primeiro pastor residente da Igreja Presbiteriana de Paranaguá. No final da década de 60 o Presbitério de Curitiba tinha ordenado cinco pastores e organizado três igrejas. No final da década de 60 havia sete Igrejas, uma Congregação Presbiterial, seis Congregações de Igrejas e cinco pontos de pregação, contando com 1123 membros comungantes e 1197 membros não comungantes.

 

 


Rev. Elias e Rev. Oswaldo

No início da década de 1970 o Presbitério contava com dois dos seus ministros em licença: Rev. Elias Abrahão completando os seus estudos nos EUA e Eber Ferrer atuando junto a União Latino-americana de Juventude Evangélica (Ulaje). Rev. Eber trabalhou posteriormente em diversas organizações ecumênicas e de serviços internacionais, e está morando atualmente na Suíça. O Rev. Elias Abrahão retornou ao Brasil em 1972, assumindo o pastorado efetivo da Igreja Presbiteriana de Curitiba em 1974, sendo que o Rev. Oswaldo ficou como pastor emérito.

 

 


Templo do ipb do Taruma - Em Contrução

Um novo campo no litoral foi incorporado ao Presbitério de Curitiba: a congregação de Batuva, no município de Guaragueçaba, que foi organizada em igreja no ano de 1970. Esse campo de difícil acesso havia sido iniciado por irmãos vindos de Cananéia, no litoral do Estado de São Paulo, e havia se tornado Congregação da Igreja de Paranaguá. No ano de 1971 incorporou-se ao rol de ministros do Presbitério o Rev. Jonas Rufino da Silva que veio transferido do Presbitério Bandeirantes. Nesse começo da década de 1970 destacou-se a atuação dos presbíteros Wolmy Bruel, engenheiro civil, que projetou os templos da Igreja do Tarumã e da Vista Alegre; presbítero Adauto de Oliveira, empresário, que atuou em Paranaguá e depois na Igreja Presbiteriana de Curitiba; Tomaz Anderson, corretor de imóveis e fundador da Igreja Presbiteriana do Boqueirão; Dr. Calvino Pereira da Igreja Presbiteriana do Tarumã, dentista, que foi tesoureiro do Presbitério por muitos anos; José Svoboda, que atuou como evangelista no litoral e em Porto Amazonas.

A Igreja Presbiteriana do Tarumã entrou em uma nova fase com a vinda do novo pastor em 1972, no ano anterior o Rev. Eudes Ferrer havia pedido licença do ministério para tratamento de saúde e o Presbitério de Curitiba convidou o Rev. Roberto Ademar Pavelec para assumir o pastorado dessa Igreja. Rev. Pavelec veio transferido do Presbitério de Ponta Grossa e realizou profícuo ministério na direção da Igreja Presbiteriana do Tarumã. Foi no período do seu pastorado que foram iniciados os trabalhos da Cidade Industrial de Curitiba, Marumbi (atualmente Igreja Presbiteriana do Uberaba), Capão da Imbuia e Pinhais. Também foi no período do seu ministério que se construiu o novo templo da Igreja Presbiteriana do Tarumã

O campo da Igreja Presbiteriana do Boqueirão em 1973 recebeu o seu novo pastor, Rev. Agenor Dias da Silva, transferido da Igreja de Paranaguá. O Rev. Agenor foi ordenado pelo Presbitério de Castro onde havia atuado por vários anos como Evangelista e depois como Pastor da Igreja Presbiteriana de Telêmaco Borba. Natural de Minas Gerais, era casado com a professora Divanir e tinha seis filhos. Foi um autodidata, fez o curso breve do seminário de Campinas, e posteriormente se formou em Letras. Pastoreou por treze anos a Igreja Presbiteriana do Boqueirão e posteriormente a Igrejas Presbiteriana da Vista Alegre, a Igreja Presbiteriana da Cidade Industrial, a Congregação Presbiterial do Jardim Gabineto (hoje Igreja Presbiteriana Nova Jerusalém), a Igreja Presbiteriana da Fazendinha e a Igreja Presbiteriana da Vila Americana. Atuou na política curitibana tendo sido presidente do PMDB em Curitiba e Secretário Adjunto da Secretaria do Material no Governo do Prefeito Roberto Requião (1985-1988). Foi grande incentivador do trabalho masculino e atuou na organização da Federação de UPHs. No seu pastorado a frente da Igreja Presbiteriana do Boqueirão iniciou o trabalho presbiteriano na cidade de São José dos Pinhais. O Rev. Agenor faleceu em 1996.

 

 


Presb. Antônio Maynardes Presb. Paulo Breda e Rev. Agenor

O Rev. Reynaldo Correia da Silva veio transferido do Presbitério de Ponta Grossa em 1974, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1975, e retornou a Curitiba em 1977. Pastoreou as Igrejas de Vila Tingui, Vista Alegre e Barreirinha. Na década de noventa o Rev. Reinaldo assumiu como redator do Jornal Brasil Presbiteriano. Em 1975, foi ordenado o Rev. Rubens Alexandre da Silva. Nesse mesmo ano foi organizada a Igreja Presbiteriana de Rio Negro, resultado do esforço evangelístico do Presbítero Jerônimo Gonçalves da Silva.

O Rev. Jonas Rufino, que era o pastor da Igreja Presbiteriana da Silva Jardim, faleceu de forma trágica em acidente rodoviário em 16/04/1975. O rev. Rufino foi substituído na Igreja Presbiteriana da Silva Jardim pelo Rev. Alderi Souza de Matos, que veio transferido do Presbitério do Iguaçu. O atual historiador da Igreja Presbiteriana do Brasil pastoreou a Igreja da Silva Jardim até o ano de 1985 quando se licenciou para continuar os seus estudos nos EUA. Foi no período do seu pastorado que se iniciou o trabalho no bairro da Fazendinha.

No final da década de 1970 foram organizadas mais duas Congregações Presbiteriais: Rio Sagrado, no litoral paranaense e Barreirinha. Também foram aceitos como candidatos ao ministério os jovens Alfonso Czaplinski e Juarez Marcondes Filho que foram encaminhados ao seminário de Campinas. Abimael Pereira da Silva e Vilson Oga atuavam como evangelistas em campos das igrejas. Nesse período, o Rev. Antonio Vieira Fernandes, proveniente do Presbitério de Castro, assumiu a Igreja Presbiteriana de Paranaguá. Destacou-se nessa década a atuação dos presbíteros Levy Teixeira da Igreja Presbiteriana de Curitiba, Claudenor Machado Lima da Igreja Presbiteriana de Paranaguá, João Cotta dos Reis da Igreja Presbiteriana da Vila Tingui, Raulino Bordim da Igreja Presbiteriana do Tarumã e Nery Martins da Igreja Presbiteriana da Vista Alegre. O presbitério de Curitiba findou os anos 1970 com nove Igrejas organizadas, duas Congregações Presbiteriais, sete Congregações de Igrejas, cinco Pontos de Pregação, nove ministros, dois candidatos ao ministério e dois evangelistas. O número de membros comungantes era de 1539, e o de não comungantes, 1445.

 

 


Presbitério de Curitiba no início dos anos 80

As transformações ocorridas no país na década de 1980 influenciaram fortemente a Igreja Presbiteriana em Curitiba. Com a volta da eleição dos prefeitos das capitais, a cidade no seu primeiro pleito da fase democrática elegeu o deputado Roberto Requião como seu prefeito. Dois dos ministros do Presbitério compuseram o secretariado do prefeito Roberto Requião, o Rev. Agenor, na Secretaria do Material e o Rev. Elias Abrahão, na Secretaria do Meio Ambiente. Quando do primeiro mandato do governador Roberto Requião (1991-1995) o Rev. Elias Abrahão exerceu o cargo de Secretário da Educação. Em 1994 foi eleito Deputado Federal. No pastorado do Rev. Elias Abrahão, a Igreja Presbiteriana apresentou notável crescimento. O Rev. Elias foi presidente do Sínodo Meridional, presidente da ASSINTEC (Associação Interconfessional de Educação em Curitiba) que era responsável pelo ensino religioso nas escolas públicas do Paraná e também foi presidente da SEB (Sociedade Evangélica Beneficente). Faleceu em 1996, quando estava exercendo o seu mandado de Deputado Federal, em um acidente de automóvel na rodovia BR 277.

Nos anos oitenta houve um despertar pelo trabalho evangelístico nos limites do Presbitério de Curitiba. Foi assinado convênio com a Igreja Reformada Holandesa que cedeu o Rev. Hans Procee como obreiro fraterno para atuar no despertamento das igrejas para o trabalho missionário e evangelístico. O Presbitério recebeu no começo dos anos oitenta o reforço de dois novos pastores: Rev. Abílio Gontijo de Carvalho e Oscar Pugsley. Foram treze candidatos ao ministério aceitos pelo presbitério nessa década, enquanto nos anos 1970, apenas três candidatos foram apresentados pelas igrejas.

 

 


Presbitério de Curitiba no início dos anos 80

Além dos dois pastores mencionados acima foram recebidos por transferência de outros presbitérios o Rev. Antonio Thomaz da Costa, Josenir Gomes da Silva, Arthur Vieira Fernandes, Carlos Alberto Rodrigues Alves e Décio Martins Gomes. Foi um período de intensa movimentação de obreiros com a transferência de vários pastores e pedidos de licença. O missionário Rev. Hans Procee, cedido pela Igreja Reformada Holandesa, atuou no sentido de coordenar o trabalho missionário e propôs a criação da “Comissão Presbiterial de Evangelização”. Dos projetos executados pelo Rev. Hans Procee, destacou-se a formação do Centro Comunitário Refúgio no bairro do Campo Comprido, que se tornou posteriormente a Igreja Presbiteriana do Campo Comprido.

 

 


Lançamento da pedra fundamental do centro comunitario Refúgio

Na década de 80 vários pastores foram ordenados ao sagrado ministério, formando uma nova geração de ministros. Dois candidatos ao ministério da década de 70, Juarez Marcondes e Alfonso Czaplinski, foram transferidos para outros presbitérios. Vaelson Pedroso já era um veterano presbítero da Igreja Presbiteriana da Silva Jardim quando foi ordenado em 1984 e pastoreou as Igrejas Presbiterianas de Vista Alegre, Tingui, Silva Jardim e Congregação Presbiterial Jardim das Oliveiras. Também iniciou o trabalho no Jardim Gabineto, depois de dinâmico ministério faleceu em 1998. Abimael Pereira, que trabalhou como Evangelista do Presbitério, foi ordenado e se transferiu para o Presbitério de Castro.

Vilson Oga foi pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Americana e atualmente é membro do Presbitério de Itaipu. Joel Lino Lemes foi pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana do Tarumã e atualmente é pastor da primeira Igreja Presbiteriana de Blumenau. Silas Jorge que já era advogado com vasta experiência quando foi ordenado, pastoreou as Igrejas de Rio Negro e Paranaguá, faleceu em 1999. Tércio de Sá Maynardes fundou a Igreja Presbiteriana de Araucária e pastoreou as Igrejas Presbiterianas da Fazendinha e Paranaguá. Atualmente é Pastor em São Jerônimo da Serra, Presbitério de Londrina. Agemir de Carvalho Dias foi ordenado em 1986, pastoreou as igrejas de Vista Alegre e fundou a Igreja Presbiteriana Parque Iguaçu, foi pastor em São Paulo na Igreja Presbiteriana do Butantã, retornou para Curitiba em 2004 e retornou ao pastorado da Igreja Presbiteriana Parque Iguaçu.

 

 


Ordenação do Rev. Agemir de Carvalho Dias

Ainda na década de 1980 foram iniciadas as seguintes Congregações em cidades da região metropolitana: Jardim Monza e Guaraetuba em Colombo por iniciativa do Rev. Abílio Gontijo, Pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Tingui, a Congregação de São José dos Pinhais, trabalho mantido pela Igreja Presbiteriana do Boqueirão no pastorado do Rev. Agenor, a Congregação de Pinhais da Igreja Presbiteriana do Tarumã. Foram organizadas em Igrejas a Congregação Presbiterial da Barreirinha (13/02/1982) e a Congregação da Vila Americana (1989).

A Igreja do Boqueirão no pastorado do Rev. Josenir Gomes da Silva, iniciou a construção do seu templo em substituição ao antigo templo de madeira, e a Igreja Presbiteriana da Silva Jardim no pastorado do Rev. Antonio Thomaz da Costa iniciou a campanha para a construção do novo templo. O campo de Batuva recebeu o reforço do trabalho do evangelista Geremias Soares da Silva, formado no IBEL.

 

 


Igreja Presbiteriana da Vila Americana

Nesse período de grande trabalho participaram de forma intensa os presbíteros José Lara da Igreja Presbiteriana do Tarumã, Anderson do Carmo da Silva da Igreja Presbiteriana da Silva Jardim, Domingos de Souza da Igreja Presbiteriana da Barreirinha, Arnito Luchtemberg da Igreja Presbiteriana de Rio Negro, Joel Pugsley da Igreja Presbiteriana de Curitiba, Wellington Folly e Athayde Cabral da Igreja Presbiteriana da Vista Alegre, entre outros. A década de 1980 terminou com o Presbitério de Curitiba tendo onze Igrejas organizadas, uma Congregação Presbiterial, dez Congregações de Igrejas e quatorze pontos de pregação, contando com dezenove pastores, dois candidatos ao ministério e dois evangelistas e um total de 2267 membros comungantes e de 1899 membros não comungantes.

 

Projeto de expansão missionária

Apesar do Presbitério de Curitiba estar preocupado com o seu crescimento não havia um planejamento estratégico. As primeiras tentativas de coordenação da expansão do presbiterianismo na cidade aconteceram sob a orientação do Rev. Hans Procee, missionário da Igreja Reformada Holandesa, com a criação da Comissão Presbiterial de Evangelização. Em 1989 o Rev. Agemir de Carvalho Dias apresentou a proposta de um “Plano Diretor de Evangelização” visando o estabelecimento de cinco novas igrejas na região metropolitana de Curitiba, que foi aprovado pelo Presbitério. Fazia parte do conteúdo do plano uma meta de sustentabilidade dos campos subsidiados pelo Presbitério e a preparação de evangelistas através de um instituto bíblico que foi criado no ano seguinte com o nome de Instituto Bíblico George Landes. O primeiro campo proposto pelo plano diretor foi o da cidade de Araucária, para abrir esse trabalho foi contratado o evangelista Tércio de Sá Maynardes.

 

 


Igreja Presbiteriana de Araucária

No ano de 1990 foi eleito presidente do Presbitério o Rev. Agemir de Carvalho Dias, que elaborou juntamente com o Secretário Executivo Rev. Wesley Emmerich Werner um novo plano mais ambicioso, o chamado “Plano de Expansão do Presbitério de Curitiba”, que propos a formação de trinta Igrejas em Curitiba.e região metropolitana, com a abertura de novos trabalhos, organização em Igreja das Congregações existentes e estímulo a abertura de novas Congregações pelas Igrejas. O plano foi apresentado à Igreja Reformada Holandesa que se tornou parceira no financiamento dos novos campos. A seguir começaram a ser abertos novos trabalhos dentro da filosofia do plano. E as Congregações das Igrejas foram transformadas em Congregações Presbiteriais como preparação para a sua organização em Igrejas. A primeira igreja organizada na década de 1990 foi a Igreja Presbiteriana da Cidade Industrial (1990).

Também na década de 1990 o Presbitério recebeu como membros pastores que atuavam em organizações de serviço e estudos: Rev. Marcos Alves da Silva que coordenou a Assintec na década de noventa e depois foi coordenador continental de Celadec (Comissão Latino Americana de Educação) e o Rev. Luiz Carlos Ramos que coordenou o Cebep (Centro Brasileiro de Estudos Pastorais). Em 1991, o presbitério recebeu a transferência do Rev. Juarez Marcondes Filho, que havia sido eleito pastor efetivo da Igreja Presbiteriana de Curitiba, transferido do Presbitério Vale do Rio Grande. Com a vinda do Rev. Juarez o plano de expansão ganhou um novo impulso. Ainda nesse começo da década transferiu-se para o Presbitério de Curitiba o Rev. Jales Potenciano Marinho, que iniciou o trabalho no Jardim Guabirotuba.

 

 


Rev. Juarez Marcondes Filho

Foram abertos os campos de Fazenda Rio Grande, Alto Boqueirão, Afonso Pena, Nova Orleans, Campo Largo, Bairro Alto, Campo Comprido, Jardim Guabirotuba, Boa Vista, Bairro Novo, Champagnat, Marumbi, Capão da Imbuia, Jardim Ipê. Nem todos os trabalhos abertos prosperaram. O trabalho em Campo Largo iniciado pelo Rev. Silas Jorge, por exemplo, não sofreu solução de continuidade após a sua saída do campo. Posteriormente, o Presbitério de Curitiba retomou o trabalho missionário em Campo Largo onde hoje há duas congregações. O plano cumpriu o principal de seus objetivos que era o crescimento do número de igrejas e de trabalhos abertos.

O Presbitério mantinha um dinamismo com a chegada de novos obreiros, contratação de evangelistas, envio de candidatos ao ministério ao seminário, formação de novos campos. Ainda no começo dos anos 1990 transferiram-se para os limites do Presbitério de Curitiba o Rev. Alvey Banks Leite, Rev. Moacir Cardoso da Silva, Rev. José Barros Filho, Rev. Hilário Batista da Silva Jr., Rev Olímpio Paulo da Silva e Rev. Manoel Calaça Filho. Foi contratado como evangelista Geraldo Rodrigues Monção, que juntamente com a sua esposa Marta, fundou a Congregação no município da Fazenda Rio Grande. Geraldo morreu assassinado no portão de sua casa quando retornava do curso de preparação de obreiros mantido pelo Presbitério, sua esposa Marta assumiu o trabalho como missionária até a organização da Igreja. Outros evangelistas atuaram na formação das igrejas como o Presbítero Luiz Carlos Alves na congregação do Marumbi e o Evangelista Zorandir que iniciou o trabalho em São Mateus do Sul.

 

 


Igreja Presbiteriana da Fazenda Rio Grande

Com a organização das Igrejas Presbiterianas da Fazendinha (1991), São José dos Pinhais (1992) e Araucária (1993) o Presbitério de Curitiba começou a pensar na sua divisão procurando racionalizar os esforços evangelísticos. O desdobramento ocorreu no dia 30 de novembro de 1995 e foi organizado o Presbitério das Araucárias que ficou com a responsabilidade dos campos ao sul de Curitiba e cidades da região metropolitana. O primeiro presidente do novo Presbitério foi o Rev. Agemir de Carvalho Dias. O Presbitério das Araucárias foi organizado com oito Igrejas e quatro Congregações Presbiteriais, enquanto o Presbitério de Curitiba continuou com nove Igrejas e sete Congregações. Um novo desdobramento ocorreu em 1998 com a formação do Presbitério do Tarumã.

 

 


Templo da Igreja Presbiteriana do Tarumã


Presbitério Tarumã - Comissão Executiva

A maioria dos pastores ordenados na década de 90 atuaou na formação das novas Congregações do Presbitério: Rev. Egon Debatin que pastoreou a Igreja Presbiteriana de São José dos Pinhais; Rev. Eliseu Eduardo de Souza, que atuou na organização da Igreja Presbiteriana do Campo Comprido, no trabalho missionário na cidade de Matinhos, foi presidente do Sínodo de Curitiba e atualmente é pastor da Igreja Presbiteriana da Vila Hauer; Rev. Ivan dos Santos Rüppel Jr., que atuou de forma decisiva na consolidação e organização da Igreja Presbiteriana do Guabirotuba. Os presbitérios organizados continuaram o processo de expansão formando novos campos. O convênio com a Igreja Reformada Holandesa expirou em 1995 e procurou-se nova parceria com a Junta de Missões Nacionais. Assim foram iniciados os Campos de São Mateus do Sul pelo Presbitério das Araucárias e o de Matinhos pelo Presbitério de Curitiba.

Ainda na década de 1990 algumas igrejas consolidaram os seus projetos de construção como a reforma do templo da Igreja Presbiteriana do Tarumã e o novo templo da Igreja Presbiteriana da Silva Jardim que foi executado no período do pastorado do Rev. Alexandre Neubert da Silva. Da mesma forma a Igreja de São José dos Pinhais construiu o seu novo templo e as Igrejas do Jardim Monza e Guaraetuba em Colombo também iniciaram as suas campanhas de construção. A Igreja Presbiteriana do Capão da Imbuia construiu seu novo templo e no ano de 2009 a Igreja Presbiteriana Parque Iguaçu lançou a pedra fundamental do seu novo templo com a presença do presidente do Supremo Concílio Rev. Roberto Brasileiro Silva.

 

 


Igreja Presbiteriana da Silva Jardim

A perspectiva de crescimento continuou ainda sendo uma diretriz na vida dos Presbitérios, novas igrejas foram organizadas nos últimos dez anos, como também novos trabalhos continuam sendo iniciados. Há muito dinamismo nas igrejas, tanto nos trabalhos novos que foram abertos, quanto nas igrejas antigas que continuam se renovando por meio da evangelização. Nesse sentido podemos destacar o trabalho missionário realizado pela Igreja Presbiteriana de Curitiba e pela Igreja Presbiteriana da Silva Jardim que continuam plantando igrejas em Curitiba e região metropolitana.

 

 


Igreja Presbiteriana Filadélfia

O Sínodo de Curitiba foi organizado em 1996 com o desdobramento do Sínodo Meridional. Os presbitérios jurisdicionados eram Curitiba, Araucárias, Ponta Grossa, Castro e Norte Pioneiro. O primeiro presidente eleito do Sínodo foi o Rev. Juarez Marcondes Filho (1996/1997), tendo sido reeleito para o mandato seguinte (1997/1999). Em 1999, aconteceu o desdobramento do Sínodo de Curitiba com a formação do Sínodo Vale do Tibagi que jurisdicionou os presbitérios de Ponta Grossa, Castro e Norte Pioneiro. No ano de 2001 o Sínodo reunido no Congresso Regional de Evangelização aprovou um documento no qual estabelecia as diretrizes para a primeira década do novo século, o documento foi chamado de Documento de Curitiba.

O Documento de Curitiba enfatizou a consciência missionária da igreja e a preocupação com a evangelização do sul do País. Essa consciência levou algumas igrejas a realizarem semanas missionárias e hoje várias igrejas apóiam trabalhos missionários transculturais.

 

Situação atual do Sínodo de Curitiba

Entre as diretrizes do Sínodo de Curitiba na sua nova fase depois do desdobramento estava o cumprimento da recomendação da Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil de que haja um revezamento entre presbíteros docentes e regentes como presidentes do Concílio. No mandato de 2003/2005 foi eleito Presidente do Sínodo o Rev. Gustavo Adolfo Mariano de Lima, Pastor da Igreja Presbiteriana de Araucária e membro do Presbitério das Araucárias. No mandato seguinte (2005/2007) foi eleito o Presbítero da Igreja Presbiteriana da Silva Jardim, o Dr. Rogério Donato Kampa. O Presbítero Kampa, é médico e foi prefeito da cidade de Araucária. Grande entusiasta da obra social da Igreja idealizou juntamente o Rev. Jonadabe Vieira o Projeto Jônatas, um projeto social que atua na educação de jovens e adultos, reforço escolar e atendimento a crianças. O dinâmico Pastor da Igreja Presbiteriana do Hauer, Rev. Eliseu Eduardo de Souza, foi eleito presidente do Sínodo para o mandato (2007/2009).

Desde 1989 o Presbitério de Curitiba estava preocupado com a formação dos evangelistas e lideranças da Igreja. O Presbitério das Araucárias criou logo no ano da sua organização o Centro Teológico Presbiteriano de Curitiba (CEPET), idéia que logo foi encampada pelos dois presbitérios da capital. No ano de 2003, os Sínodos de Curitiba, Vale do Tibagi, Integração Catarinense e o Sínodo da Igreja Reformada resolveram criar a Associação Presbiteriana de Ensino e Beneficência (APRESBES) com o objetivo de atuar no campo educacional de nível superior e formação profissional. A APRESBES montou o curso de Bacharel em Teologia com o nome de Faculdade Teológica Sul Brasileira (FATESUL), que tem como diretor o Rev. Francisco Creti Neto. Esse projeto educacional tem capacitado os membros das igrejas para as diversas áreas do ministério.

 

 


Formatura de Alunos FAtesul

A vida eclesiástica do Sínodo é marcada pela grande atuação das sociedades internas da Igreja. Todas as Confederações Sinodais estão organizadas.

A Confederação Sinodal das UPHs realiza mutirões sociais em igrejas da periferia da cidade levando assistência médica, assessoria jurídica e outros serviços às populações carentes, denominados “Impactos Sociais”. Outro trabalho importante realizado pela Confederação Sinodal é o Festival de Músicas Sacras que procura reunir corais e conjuntos com ênfase nas músicas clássicas da hinologia cristã. O trabalho masculino conta com uma forte liderança nos presbitérios do Sínodo e realiza uma importante obra de evangelização.

 

 


Confederação Sinodal de SAFs

A Confederação Sinodal das SAFs também é muito atuante. Poucas são as igrejas na região do Sínodo que não tem uma SAF organizada. O trabalho de ação social das SAFs é expressivo. Destaca-se o apoio dado ao Hospital Evangélico de Curitiba com a confecção de bandagens para pacientes queimados e o trabalho de apoio as congregações e aos campos missionários. Os encontros de crescimento espiritual têm marcado a vida daqueles que participam dessas atividades. Há um empenho na distribuição de Bíblias e folhetos. A presidente da confederação Sinodal, Sr.ª Célia de Lara Pires, e as demais membros da Diretoria têm sido incansáveis na visita às sociedades locais e às federações.

 

 


Confederações UMPs

O trabalho da mocidade na região de Curitiba apresenta desde os seus primórdios muito dinamismo. Várias das mocidades foram fundamentais no trabalho de evangelização nos bairros. A mocidade tem sido um celeiro de lideranças e no despertamento de vocações. São realizados acampamentos, retiros, trabalhos evangelísticos, encontros de treinamento, gincanas esportivas. No último Congresso Nacional dois jovens da Confederação Sinodal foram eleitos para fazerem parte da Diretoria: Daniel de Paula Neves e Souza, Vice-presidente Sul e Maulem Henrique da Silva, Secretário.

 

 


Encontro de UPAs

A Confederação Sinodal do trabalho de Adolescentes também está organizada e tem ajudado na estruturação das UPAs nas igrejas locais. São realizadas atividades conforme as diretrizes estabelecidas pela Confederação Nacional.

Destaca-se a grande colaboração das forças de integração na formação de novas lideranças, inclusive no suprimento das Comissões Executivas dos Concílios que integram o Sínodo de Curitiba.

O Presbitério das Araucárias no ano de 2007 aprovou o seu desdobramento criando o Presbitério Parque Iguaçu. O novo presbitério nasceu com o desafio da ocupação dos bairros e das cidades da região sul de Curitiba em direção a Santa Catarina. Com a organização do novo Presbitério o Sínodo de Curitiba conta atualmente com quatro presbitérios.

Na última reunião do Sínodo, o Presbítero João Jaime Nunes Ferreira foi eleito presidente. A atual diretoria executiva do Sínodo, juntamente com o Conselho da Igreja Presbiteriana de Curitiba, está empenhada na recepção da XXXVII Reunião Ordinária do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil. Para os presbiterianos do sul do Brasil será uma reunião histórica, pois é a primeira vez que o Supremo Concílio se reúne nesta região do país.

O Sínodo de Curitiba continua fazendo planos. Neste ano de 2010 aprovou o documento SÍNODO DE CURITIBA 2020, com as novas diretrizes missionárias.

 

Prof. Dr. Rev. Agemir de Carvalho Dias